quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Abusado

Cansado, esta é a sensação que tem me recorrido desde que entrou 2012, um peso, como se tudo que vem antes de 2012, tivesse sido empilhado e amarrado a mim, me gerando uma fadiga, por um esforço que não se explica.
    Como escapar de tudo isso, como não repetir o que não deve ser repetido?

Ricardo Pereira,
Recife, 26 de janeiro de 2012, 21:08

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Egoistas de hoje.

Cativar sem responsabilidade, é algo tão nocivo, mas de uma certa maneira é algo que se pratica até de forma inconsciente, ao menos sinto isso, como se as pessoas estivessem tão focadas no seu próprio umbigo que esquecem do outro.

            Quando falo esquecer, não penso em nada complexo, penso em coisa que sinto como óbvias:
Cumplicidade, importância, reciprocidade.

            Para mim são coisas fundamentais, e que na sua ausência, provocam cicatrizes profundas, que sempre deixam quelóide.

            Triste é saber que algumas pessoas não conseguem perceber a força dos seus atos e de suas escolhas, por simplesmente, não conseguirem olhar para fora dos seus umbigos.

            Cegos, quem sabe um dia consigam enxergar para além do que apenas se quer ver.

Sérgio Pereira,
Campina Grande, 17 de janeiro de 2012, 22:50

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Hoje é sexta-feira


Aproveitar a energia,
Sentir o clima,
Seguir o ritmo,
Do que é bom
E te chama atenção,
Não deixar passar,
Apenas ir...

Mexa-se!
Ande, cante, dance,
Mas não fique,
Não espere,
Mexa-se!

Conversar,
Rir, olhar,
Ser visto,
Compartilhar,
Com propósito,
Sem pretensão,

Mexa-se!
Não fique,
Não espere
Talvez nada chegue,
Vá e viva.

Ricardo Pereira,
Recife, 13 de janeiro de 2012, 19:30.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

A sete palmos/Six feet under


Um sentimento de partida se instaura,
Olhar para frente
Lembrar do que ficou,
Não parar,
Seguir.

Vazio,
Angustia,
Tristeza,
Incerteza.

Olhar para frente,
Saudade,
Perdas e ganhos,
Desejo do novo,
Que não nega o passado
Nem coíbe o futuro

Lágrimas,
Um caminho pela frente,
Estradas, ruas, pessoas.

Vida, um leve olhar para ontem,
Um receio do não saber.

Olhar para frente,
Se dividir, do que foi
Do que será,
Dor, vontade, força,
Seguir.

Crescer,
Envelhecer,
Ver os seus partir,
Esperar a sua partida,
Lembrar,
Sentir,
Amar,
Viver,
Morrer.

Existir.

Ricardo Pereira,
Recife, 09 de janeiro de 2012, 20:54.


sábado, 7 de janeiro de 2012

Lista de Desejos 2012


Conversas sem fim,
Interesse que não se explica,
Admiração,
Respeito,
Atenção,
Carinho,
Disponibilidade,
Individualidade,
Dialogo,
Lealdade,
Importância,
Amizade,
Paixão,
Excitação,
Ternura,
Amor,
Tempo,
Empatia,
Sabedoria,
Paciência,
Felicidade,
Querer,
União,
Constância,
Comunhão,
Equilíbrio,
Sucesso,
Paz,
Saúde,
Dois.

Ricardo Pereira
Recife, 8 de janeiro de 2012, 00:39

O que se vê e o que é visto


De repente,
Nada se via,
Havia apenas uma nuvem,
Cinza, que não era de poeira
Nem de nada.

Uma parede etérea
Opaca, que a luz rebatia
Emergiu no meio, na cegueira
Do ver e do objeto que se devera ver,
Talvez, sempre tenha estado lá,
Crescendo, ganhando massa,
Densidade, corpo.
De forma invisível,
Se estabelecendo.

Fruto de percepções erradas,
Linguagens inapropriadas,
Referências trocadas.

Ofuscou,
Inibiu,
Cegou.

Haverá cura?

Ricardo Pereira,
Recife, 08 de janeiro de 2012, 00:01

Nem tudo depende de nós


Nem tudo depende de nós, temos nossas limitações, por mais que digam o contrário os escritores de auto-ajuda, mas infelizmente ou felizmente, não sei ao certo, existem exceções. Não adianta apenas um lado, tem de haver convergência, do contrário não haverá sucesso, o êxito se perde, porém, tal perda não pode nem deve ser encarada como derrota.
Por mais que pareça uma derrota, não se perdeu de fato, nem o tempo, nem mesmo, o objeto do  desejo. Sei que não é fácil encarar tudo assim, principalmente quando no meio de tudo, nos sentimos: enganados, usados, desrespeitados.
Ganhamos várias coisas nesse processo, coisas que durante o ocorrido nem percebemos, sabedoria que usaremos num futuro próximo e nos ajudará a não repetir erros e escolhas, força, coragem, casca dura, e habilidade de renascimento, nesse caso dependendo da gravidade do desapontamento.
Estes percalços acontecem em todos os níveis das nossas vidas, sejam eles, profissionais, sociais, amorosos, existirão de forma inevitável, como parte inerente do processo de viver, não saberemos como nem quando, mas podemos nos prevenir, com o que já passamos.
Ficar atento sem se fechar, olhar em voltar e perceber para além do problema, para mim ajuda, não é uma formula, apenas uma maneira que encontrei de seguir.
Ricardo Pereira,
Recife, entre 06 e 07 de janeiro de 2012, 16:22